Temos todo tempo do mundo? Estudo sobre Percepções Temporais, Prazer e Sofrimento com Jovens Trabalhadores

Jane Kelly Dantas Barbosa, Kely César Martins de Paiva

Resumo


O tempo é considerado um bem cada vez mais escasso, difícil de entender e de administrar, diante do qual as pressões e demandas do dia a dia podem representar fontes de prazer e sofrimento aos indivíduos, especialmente jovens trabalhadores, frente suas peculiaridades. Dado isto, o objetivo deste trabalho consiste em analisar as percepções temporais e as vivências de prazer e sofrimento no trabalho de jovens trabalhadores assistidos pela Associação de Ensino Social Profissionalizante (ESPRO). Para tanto, realizou-se um estudo de caso por meio de uma pesquisa de campo, descritiva, com abordagem qualitativa. A coleta de dados foi feita por meio de entrevistas semiestruturadas realizadas com 22 jovens trabalhadores assistidos pelo ESPRO, da filial de Belo Horizonte (MG). Os dados foram tratados por meio de análise de conteúdo e os resultados demonstraram que as dimensões temporais apresentadas (comportamentos predominantemente monocrônicos, rápidos, pontuais, atrelados ao futuro e arrastado por terceiros) e as vivências de prazer e sofrimento (contexto de trabalho positivo, baixos riscos/custos, elevado prazer, baixo sofrimento, baixos danos) possuem relações entre si, apesar do fato de que as preferências demonstradas em relação ao tempo nem sempre coincidem com a prática laboral que lhes é imposta.

Time is considered an asset that is increasingly scarce, difficult to understand and administer, in which the pressures and demands of daily life can be a source of pleasure and suffering for individuals, especially young workers, in face of their peculiarities. Given this, the objective of this work is to analyze the temporal perceptions and the experiences of pleasure and suffering in the work of young workers assisted by the Association of Professional Social Teaching (ESPRO). For that, a case study was carried out through a descriptive field research with a qualitative approach. Data collection was done through semi-structured interviews with 22 young workers assisted by ESPRO, from the Belo Horizonte branch (MG). The data were treated by means of content analysis and the results showed that the temporal dimensions presented (predominantly monocronic, fast, punctual, future-bound and third-party behaviors) and the experiences of pleasure and suffering (positive work context, low risks, costs, pleasure, little suffering, low damages) have relationships with each other, despite the fact that the preferences demonstrated over time do not always coincide with the work practice imposed on them.

 


Palavras-chave


Tempo; Percepções Temporais; Prazer; Sofrimento; Jovens trabalhadores

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 13 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

BACKES, Airton L. Trabalho e subjetividade: sofrimento psíquico em contexto de mudanças organizacionais. Gestão e Sociedade, v.6, n.14, p.117-138, 2012.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BISPO, Ana C. K. A.; HELAL, Diogo H. A dialética do prazer e sofrimento de acadêmicos: um estudo com mestrandos em Administração. Revista de Administração FACES Journal, v.12, n.4, p.120-136, 2013.

BLUEDORN, Allen C.; JAUSSI, Kimberly S. Organizationally Relevant Dimensions of time across levels of analysis, In DANSEREAU, Fred; YAMMARINO, Francis J. (eds.), Multi-Level Issues in Organizations and Time. Research in multi-level issues, v.6, Elsevier, Oxford, p.187-223, 2007.

BUTLER, Richard. Time in Organizations. Organization Studies, v.16, n.6, p.925-950, 1995.

CASTRO, Patrícia M.; CANÇADO, Vera. Prazer e sofrimento no trabalho: a vivência de profissionais de recursos humanos. Revista Gestão & Planejamento, v.10, n.1, art.2, p.19-37, 2009.

CHANLAT, Jean-François. Por uma Antropologia da Condição Humana nas Organizações. In: CHANLAT, Jean-François (coord.), O Indivíduo na Organização: dimensões esquecidas, p.21-45, v.I, 3 ed. São Paulo: Atlas, 1996.

DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, n.24, p.40-52, 2003.

DEJOURS, Christophe. Souffrance en France: la banalisation de l’ injustice sociale. Paris: Éditions du Sevil, 1998.

DEJOURS, Christophe. Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas, p.149-173, 3 ed. São Paulo: Atlas, 1996.

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

ESPRO – Associação de Ensino Profissional Profissionalizante. Disponível em http://www.espro.org.br/institucional/sobre-o-espro. Acesso em 18/08/2016.

FERREIRA, Mário C.; MENDES, Ana M. “Só de pensar em vir trabalhar, já fico de mau humor”: atividade de atendimento ao público e prazer-sofrimento no trabalho. Estudos de psicologia, v.6, n.1, p.93-104, 2001.

FREZZA, Márcia; GRISCI, Carmen L. I.; KESSLER, Cristiano K. Tempo e espaço na contemporaneidade: uma análise a partir de uma revista popular de negócios. Revista de Administração Contemporânea, v.13, n.3, p.487-503, 2009.

HASSARD, John. Imagens do tempo no trabalho e na organização. In: CALDAS, Miguel; FACHIN, Roberto; FISCHER, Tania (orgs. ed. bras.). Handbook de estudos organizacionais, p.190-216, v.2. São Paulo: Atlas, 2001.

ILO - INTERNATIONAL LABOUR OFFICE. World Employment Social Outlook: Trends for Youth 2016. International Labour Organization. Geneva: ILO, 2016.

JÖNSSON, Bodil. Dez considerações sobre o tempo. Rio de Janeiro: José Olympio Ed., 2004.

KLEIN, Etienne. O tempo. Instituto Piaget, Lisboa, 1995.

LANCMAN, Selma; UCHIDA, Seiji. Trabalho e subjetividade: o olhar da Psicodinâmica do Trabalho. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v.6, p.79-90, 2003.

LECCARDI, Carmen. Para um novo significado do futuro: mudança social, jovens e tempo. Tempo social, v. 17, n. 2, p. 35-57, 2005.

LOUGHLIN, Catherine; LANG, Katherine. Young workers. In: BARLING, Julian; KELLOWAY, E. Kevin; FRONE, Michael R. (eds.), Handbook of work stress, p.405-430, Thousand Oaks: Sage, 2005.

MELO, Marlene C. O. L.; PAIVA, Kely C. M.; MAGESTE, Gisele S.; BRITO, M. J. M.; CAPELLE, Mônica A. Em busca de técnicas complementares em pesquisa qualitativa no campo da administração. In: GARCIA, F. C., HONÓRIO, Luiz C. (coords.). Administração, metodologia, organizações e estratégia, p. 67-79, 2ª ed. Curitiba: Editora Juruá, 2007.

MENDES, Ana M. (Org). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

MESQUITA, Marcos R.; JÚNIOR, Gessé M.; SIMÕES, Anderson A. A Juventude brasileira e a educação. Revista Juventude.Br, v.6, p.38-46, 2012.

O’REILLY, Jacqueline; EICHHORST, Werner; GABOS, András; et al. Five Characteristics of Youth Unemployment in Europe: Flexibility, Education, Migration, Family Legacies, and EU Policy. Sage Open, v.5, n.1, p.1-19, 2015.

PAIVA, Kely C. M.; SOUZA, Cinthia M. O. Time perception: A study of young Brazilian workers. Tourism & Management Studies, v.12, n.1, p.203-210, 2016.

PAIVA, Kely C. M.; DUTRA, Michelle R. S.; SANTOS, Andreia de O.; BARROS, Valéria R. F. Proposição de escala de percepção temporal. Tourism & Management Studies, v.2, p.523-535, 2013.

PAIVA, Kely C. M.; PINTO, Daiane de L.; DUTRA, Michelle R. S.; ROQUETTE, Raquel F. Quanto Tempo o Tempo Tem? Um estudo sobre o(s) tempo(s) de gestores do varejo em Belo Horizonte (MG). Organizações & Sociedade, v.18, n.59, p.661-679, 2011.

PEREIRA, Janice A. de S. Vivências de prazer e sofrimento na atividade gerencial em empresa estratégica: o impacto dos valores organizacionais. 2003. 165 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Instituto de Psicologia. Universidade de Brasília, 2003.

PERSING, D. Lynne. Managing in polychronic times: Exploring individual creativity and performance in intellectually intensive venues. Journal of Managerial Psychology, v.14, n.5; p.358-373, 1999.

POCHMANN, Márcio. A inserção ocupacional e o emprego dos jovens. São Paulo: ABET, 1998.

REIS, Maurício. Uma análise da transição dos jovens para o primeiro emprego no Brasil. Revista Brasileira de Economia, v.69, n.1, p.125-143, 2015.

SILVA, Enid R. A. da. (coord.). Juventude e trabalho informal no Brasil. Organização Internacional do Trabalho. Brasília: OIT, 2015.

SPOSITO, Marilia P.; SOUZA, Raquel; SILVA, Fernanda A. A pesquisa sobre jovens no Brasil: traçando novos desafios a partir de dados quantitativos. Educação e Pesquisa, v.44, e170308, 2018.

TAYLOR, Frederick. W. Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas, 1970.

TUCKER, Sean; LOUGHLIN, Catherine. Young workers. In: KELLOWAY, E. Kevin; BARLING, Julian; HURRELL, J. (eds.), Handbook of Workplace Violence, p.417-444, Thousand Oaks: Sage, 2006.

UNFPA. Direitos da população jovem: um marco para o desenvolvimento. 2d. Brasília: UNFPA - Fundo de População das Nações Unidas. 2010.

VASILE, Cristian. Time perception, cognitive correlates, age and emotions. Procedia – Social and Behavioral Sciences, v.187, p.695–699, 2015.

VERGARA, Sylvia C.; VIEIRA, Marcelo M. F. Sobre a dimensão tempo-espaço na análise organizacional. Revista de Administração Contemporânea, v.9, n.2, p.103-119, 2005.

VERIGUINE, Nádia R.; BASSO, Cláudia; SOARES, Dulce H. P. Juventude e Perspectivas de Futuro: A Orientação Profissional no Programa Primeiro Emprego. Psicologia: Ciência e Profissão, v.34, n.4, p.1032-1044, 2014.

WHITROW, Gerald J. O que é o tempo? Uma visão clássica sobre a natureza do tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

WICKERT, Luciana F. Desemprego e juventude: jovens em busca do primeiro emprego. Psicologia: ciência e profissão, v.26, n.2, p.258-269, 2006.

YIN, Robert K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2020.v13i1.724

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Foco

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.