Elementos visuais das embalagens: uma análise de cereais matinais para crianças

Gilberto Cristiano da Silva Junior, João Batista Soares Neto, Janayna Souto Leal, Jailson Santana Carneiro

Resumo


Os elementos visuais de uma embalagem podem influenciar o processo de decisão de compra do consumidor. Logo, este trabalho tem como objetivo geral analisar os elementos visuais presentes nas embalagens de cereais infantis. Nesse sentido, realizou-se uma pesquisa exploratória e qualitativa em dez embalagens de cereais infantis das empresas São Braz, Kellogg’s e Nestlé. A mesma foi fundamentada a partir dos conceitos de comportamento do consumidor e dos estímulos de marketing por meio de embalagens. Por meio da análise de conteúdo, identificou-se as categorias: nome do produto, cores utilizadas, imagens estampadas e informações oferecidas. Observou-se que as cores fortes, com ênfase nas informações nutricionais, são estratégias de estímulo aos pais. Já as imagens estampadas de personagens licenciados ou criados pela própria empresa, além da oferta de jogos, objetivam a captação da atenção das crianças. Os resultados da pesquisa revelaram que os elementos visuais contidos nas embalagens representam estímulos às crianças. Todavia, a maior parte desses estímulos são direcionados aos compradores do cereal e não aos seus usuários.

 

The visual elements of a package can influence the consumer's purchasing decision process. Therefore, this article aims to analyze the visual elements present in children's cereal packaging.. In this sense, an exploratory and qualitative research was carried out on ten packages of children's cereals from the companies São Braz, Kellogg's and Nestlé. It was based on the concepts of consumer behavior and marketing stimuli through packaging. Through the analysis of content, we identified the categories: product name, colors used, stamped images and information offered. It was observed that strong colors, with an emphasis on nutritional information, are strategies to stimulate parents. Already the stamped images of characters licensed or created by the company itself, in addition to the offer of games, aim at attracting children's attention. The results of the research revealed that the visual elements contained in the packages represent stimuli for the children. However, most of these stimuli are directed to cereal buyers and not to their users.


Palavras-chave


Comportamento do consumidor; Estímulo de marketing; Embalagem

Texto completo:

PDF

Referências


ABBADE, E. B.; RAMOS, M. S. A percepção dos consumidores quanto às cores de embalagens de bens de consumo. Revista Gestão Organizacional, v. 1, n. 2, art. 1, p. 69-88, 2008.

ABIA. Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação. Faturamento 2017. Disponível em: acesso em: 07 de maio de 2018.

ALMEIDA, I. C.; GUIMARÃES, G. F.; REZENDE, D. C. Food habits of the elderly: Standards for purchase and consumption. Hábitos alimentares da população idosa: Padrões de compra e consumo, v. 17, n. 33, p. 95-110, 2011.

AMUQUANDOH, F. E. ; ASAFO-ADJEI, R. Traditional food preferences of tourists in Ghana. British Food Journal, v. 115, n. 7, p. 987-1002, 2013.

BANKS, M. Dados visuais para pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006.

BARTELS, J.; REINDERS, M. J. Social identification, social representations, and consumer innovativeness in an organic food context: A cross-national comparison. Food quality and preference, v. 21, n. 4, p. 347-352, 2010.

BASTA, D.; MARCHESINI, F.R.A.; OLIVEIRA, J.A.F.; SÁ, L.C. Fundamentos de Marketing. 7 ed. Rio de Janeiro: FGV, 2011.

BEM ESTAR. Crianças devem comer no máximo 25g de açúcar por dia, diz associação. Disponível em: acesso em: 07 de maio de 2018.

BEM ESTAR. Consumo de açúcar não deve passar de 50 gramas por dia, diz OMS. Disponível em: acesso em: 07 de maio de 2018.

BORGES, A. R. et al. A embalagem sedutora nas gôndolas do supermercado: garantia de atratividade e estímulo ao desejo de consumo do público infantil. Revista FACES FUMEC, Minas Gerais, v. 1, n. 1, p. 1-11, 2011.

BUSHONG, B. et al. Pavlovian processes in consumer choice: The physical presence of a good increases willingness-to-pay. American Economic Review, v. 100, n. 4, p. 1556-71, 2010.

CARNEIRO, M. P. Desenvolvimento da memória na criança: o que muda com a idade?. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 51-59, 2008.

CAVACO, N. A. Consumismo é coisa da sua cabeça: o poder do neuromarketing. Rio de Janeiro: Ed. Ferreira, 2010.

CAVADA, G. S.; PAIVA, F. F.; HELBIG, E.; BORGES, L. R. Rotulagem nutricional: você sabe o que está comendo? Brazilian Journal of Food Technology, v. 4, n. spe, p. 84-88, 2012.

CHANDON, P. et al. Is food marketing making us fat? A multi-disciplinary review. Foundations and Trends® in Marketing, v. 5, n. 3, p. 113-196, 2011.

CHANDON, P.; WANSINK, B. Does food marketing need to make us fat? A review and solutions. Nutrition reviews, v. 70, n. 10, p. 571-593, 2012.

COHEN, D. A.; BABEY, S. H. Contextual influences on eating behaviours: heuristic processing and dietary choices. Obesity Reviews, v. 13, n. 9, p. 766-779, 2012.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

DUBOIS, D.; RUCKER, D. D.; GALINSKY, A. D. Super size me: Product size as a signal of status. Journal of Consumer Research, v. 38, n. 6, p. 1047-1062, 2011.

FERNQVIST, F.; EKELUND, L. Consumer attitudes to potatoes and possible differentiation paths of the commodity–the case of Sweden. In: XVI International Symposium on Horticultural Economics and Management 831. 2009. p. 313-318.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FISCHER, L. M. et al. Development and implementation of the guiding stars nutrition guidance program. American Journal of Health Promotion, v. 26, n. 2, p. 55-63, 2011.

FOLHA DE SÃO PAULO. Top of Mind’17. Disponível em: acesso em 14 de maio de 2018.

FONTENELLE, I. A. Psicologia e marketing: da parceria à crítica. Arq. bras. psicol., Rio de Janeiro, v. 60, n. 2, p. 143-157, jun. 2008.

HENRIQUES, P. et al. Regulamentação da propaganda de alimentos infantis como estratégia para a promoção da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 481-490, 2012.

HOSSEIN, N. et al. Adoption and diffusion of innovations in fast food industries. Australian Journal of Basic and Applied Sciences, v. 5, n. 12, p. 833-839, 2011.

HOYER, W. D.; MACLNNIS. Comportamento do Consumidor. 5 ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

IGLESIAS, F.; CALDAS, L. S.; LEMOS, S. M. S. Publicidade infantil: uma análise de táticas persuasivas na TV aberta. Psicologia & Sociedade, Brasília, v. 25, n. 1, p. 134-141, 2013.

JORNAL DA PARAÍBA. São Braz comemora 60 anos de fundação com o mercado potiguar. Disponível em: acesso em 14 de maio de 2018.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de Marketing. 14. ed. São Paulo: Pearson Pretince Hall, 2012.

LANAUZE, G.; AURIER, P. Impact of perceived brand relationship orientation on attitudinal loyalty: An application to strong brands in the packaged goods sector. European Journal of Marketing, v. 46, n. 11-12, p. 1602-1627, 2012.

LIMA, F. C. C. Comunicação na promoção de alimentação saudável via rótulos: uma análise dos diversos discursos. Dissertação (Mestrado) – Curso de Nutrição, FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA, São Paulo, 2014.

MCQUARRIE, E. F.; MICK, D. G. Visual rhetoric in advertising: Text-interpretive, experimental, and reader-response analyses. Journal of consumer research, v. 26, n. 1, p. 37-54, 1999.

NEGRÃO, C.; CAMARGO, E. P. Design de embalagem: do marketing à produção. São Paulo: Novatec Editora, 2008.

OLIVEIRA, B.; TAVARES, G. R. M.; SATO, K. S. Percepção: uma caixa preta para marketing? Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 3, n. 3, p. 424-430, set./dez. 2010.

PONTES, T. E. et al. Orientação nutricional de crianças e adolescentes e os novos padrões de consumo: propagandas, embalagens e rótulos. Rev Paul Pediatr, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 99-105, 2009.

PORTO, R. B. Atitude do consumidor: estrutura dos modelos teóricos. REMark - Revista Brasileira de Marketing, São Paulo, v. 9, p. 41-58, maio/ago. 2010.

RIBEIRO, M. M.; DELLA LUCIA, S. M.; BARBOSA, P. B. F.; GALVÃO, H. L.; MINIM, V. P. R. Influência da embalagem na aceitação de diferentes marcas comerciais de cerveja tipo Pilsen. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 28, n. 2, p. 395-399, 2008.

RUÃO, T. As marcas e o valor da imagem: a dimensão simbólica das actividades económicas, CECS, Braga, v. 1, n. 3, p. 177 – 191, 2003.

SOLOMON, M. R. O comportamento do consumidor. 11. ed. Porto Alegre: Bookman, 2016.

STEFANO, N. M. Análise da influência dos atributos da embalagem no ponto de vista do consumidor no momento da compra. Revista Gestão & Planejamento, v. 13, n. 1, p. 82-105, 2012.

TIPKANON, S. et al. Consumption behavior, need and factors influencing buying decision on soy and soy germ products of menopausal women in Thailand. Kasetsart Journal-Social Sciences, v. 32, n. 3, p. 493-502, 2011.

TOMA, T. S.; REA, M. F. Rótulos de alimentos infantis: alguns aspectos das práticas de marketing no brasil. R. Nutr. PUCCAMP, Campinas, v. 10, n. 2, p. 127-135, jul. 1997.

YAMADA, R. S. Influência do marketing e do consumidor infantil sobre o comportamento de consumo familiar. Monografia (Graduação) – Curso de Administração, UNICEUB, Brasília, 2007.

YEUNG, R. M.W; YEE, W. M.S. Chinese New Year Festival: Exploring consumer purchase intention at the flower market in Macau. International Journal of Hospitality Management, v. 29, n. 2, p. 291-296, 2010.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2020.v13i1.679

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Foco

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.