Breves reflexões sobre as (res)significações do trabalho nas sociedades ocidentais e a ciência administrativa

Raphaela Reis Castro Silva, Isabela Grossi Amaral

Resumo


Qual é a relação entre o conceito de trabalho e a ciência administrativa? Ou melhor, qual é sentido do trabalho na (ou para) sociedade atual? Essas são as questões que orientam esse ensaio teórico. Essa reflexão nos parece fundamental para a formação do administrador, a fim de que seja possível compreender a função social da ciência da administração no contexto atual da sociedade contemporânea, e principalmente sua atuação crítica e cidadã. O ensaio busca construir pontes entre o surgimento da Teoria Administrativa, a ideia do trabalho nas várias etapas da evolução do ocidente e o conceito atual do trabalho, objetivando promover e estimular um pensamento crítico acerca do sistema das relações de trabalho ao longo do tempo situando historicamente as perspectivas que a ciência da administração sobre, como forma de compreensão dos fenômenos existentes na sociedade e nas organizações. Nesse movimento, percebe-se que a conjuntura atual do trabalho vem se caracterizando pela precarização, informalidade, sobretrabalho, entre outros problemas que aumentam a exclusão social e fazem dos trabalhadores suas principais vítimas, tendo como aporte conhecimentos desenvolvidos dentro da área de administração. Essas transformações significativas apontam para ressignificações dos sentidos do trabalho na (ou para) sociedade atual influenciando nas relações concretas das formas de ser, nas identidades dos sujeitos incluídos e excluídos desse sistema, e também nas formas de ensino e formação desses profissionais, sempre permeadas por discursos ideológicos em consonância com sua época e com a classe que detém, de certa forma, o poder vigente.

 

What is the relationship between the concept of work and administrative science? Or rather, what is the meaning of the work in (or for) the current society? These are the questions that guide this theoretical essay. This reflection seems to us fundamental for the formation of the administrator, so that it is possible to understand the social function of the science of administration in the current context of contemporary society, and especially its critical and citizen performance. The essay seeks to build bridges between the emergence of the Administrative Theory, the idea of work in the various stages of the evolution of the West and the current concept of work, aiming to promote and stimulate a critical thinking about the system of labor relations over time historically the perspectives that the science of the administration on as a way of understanding the phenomena existing in society and in organizations. In this movement, one can perceive that the current situation of work is characterized by precariousness, informality, overwork, among other problems that increase social exclusion and make the workers their main victims, having as contribution knowledge developed within the area of administration. These significant transformations point to the re-signification of the meanings of work in (or for) society influencing the concrete relationships of the forms of being, the identities of the subjects included and excluded from this system, and also in the forms of education and formation of these professionals, always permeated by ideological discourses in line with their times and with the class that holds, in a certain way, the prevailing power.


Palavras-chave


Desenvolvimento do trabalho; Relações de trabalho; Trabalho ocidental;

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, José Elesbão de. Subdesenvolvimento e dependência: uma análise comparada de Celso Furtado e Fernando Henrique Cardoso. 2009. 205f. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Ciências Econômicas. Programa de Pós-Graduação em Economia. Porto Alegre.

ALVES, Giovanni. Trabalho, subjetividade e capitalismo manipulatório - O novo metabolismo social do trabalho e a precarização do homem que trabalha. Revista da Rede de Estudos do Trabalho, São Paulo, Ano V, n. 8, p. 1-31, 2011.

ALVIM, Joaquim Leonel de Rezende; NUNES, Tiago de Garcia; CASTRO, Carla Appollinario de. Empreendedorismo Tupiniquim: notas para uma reflexão. Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades, Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012.

ANTUNES, Ricardo. A sociedade da terceirização total. Revista da ABET, v. 14, n. 1, Janeiro a Junho, 2015. 8.

ARAÚJO, Romilda Ramos de; SACHUK, Maria Iolanda. Os sentidos do trabalho e suas implicações na formação dos indivíduos inseridos nas organizações contemporâneas. Revista de Gestão USP, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 53-66, janeiro/março 2007.

BACON, Francis. Novum organum. 2 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1974.

CHANLAT, Jean-François. Introdução. In: Ciências Sociais e Management. São Paulo: Atlas, 1996.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS. Sondagem Especial Indústria Total. Ano 4, n.2, julho, 2014.

COUTINHO, Maria Chalfin. Sentidos do trabalho contemporâneo: as trajetórias identitárias como estratégia de investigação. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2009, vol. 12, n. 2, pp. 189-202.

CUNHA, Luís Antônio. Educação e Desenvolvimento social no Brasil. Rio de Janeiro: F. Alves, 1980.

FARIA, José Henrique de; KREMER, Antonio. (2004). Reestruturação produtiva e precarização do trabalho: o mundo do trabalho em transformação. Revista Eletrônica de Administração, v. 10, n. 5, 2004.

FURTADO, Celso. Criatividade e Dependência na civilização industrial. São Paulo: Círculo do Livro, 1978.

FURTADO, Celso. Pequena introdução ao desenvolvimento: enfoque interdisciplinar. São Paulo: Nacional, 1980.

KEINERT, Maurício Cardoso. Kant: o apóstolo da razão pura e da crítica sistemática. In: Razão, sonho e sensibilidade. 2 ed. São Paulo: Editora Duetto, p. 7-13, 2011.

MARCELINO, Paula. A Administração e a terceirização: como o pragmatismo compromete a análise. In: PADILHA, Valquíria (org.). Antimanual de gestão: desconstruindo os discursos do management. Cap. 3. São Paulo: Ideias e Letras, 2015, p. 91 a 125.

MARQUES, Ana Paula Pereira. Reestruturação produtiva e recomposições do trabalho e emprego: um périplo pelas “novas” formas de desigualdade social. Ciência & Saúde Coletiva, vol.18 no.6 Rio de Janeiro, jun. 2013.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Atlas, 2008.

MENEGHETTI, Francis Kanashiro. O que é um ensaio-teórico? Revista de Administração Contemporânea (RAC), Curitiba, v. 15, n. 2, p. 320-332, Apr. 2011.

PRESTES MOTTA, Fernando Claudio; VASCONCELOS, Isabella Freitas Gouveia de. Teoria geral da administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Uma Introdução ao Histórico da Organização Racional do Trabalho. Brasília: Conselho Federal de Administração, 1995.

ROCHA-DE-OLIVEIRA, Sidinei; PICCININI, Valmiria Carolina; BITENCOURT, Betina Magalhães. Juventudes, gerações e trabalho: É possível falar em geração Y no Brasil? Organizações & Sociedade, v. 19, n. 62, p. 551-558, 2012.

SANTOS, Elinaldo Leal; SANTOS, Reginaldo Souza; BRAGA, Vitor Lélio. O campo científico da administração: percursos e percalços. In: Colóquio Internacional de Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração, Florianópolis, 2014.

SEIFERT, Rene Eugenio; VIZEU, Fabio. Crescimento Organizacional: Uma Ideologia Gerencial? Revista de Administração Contemporânea (RAC), Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, pp. 127-141, Jan./Fev. 2015.

SILVA, Reinaldo Oliveira da. Teorias da Administração. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013.

TENÓRIO, F. G. Tem razão a administração? Ensaios de teoria organizacional e gestão social. Ijuí, RS: Editora Unijuí, 2008.

THIRY-CHERQUES, Hermano Roberto. A categoria trabalho? Revista ADM.MADE. Rio de Janeiro, v.20, n.1, p.i-v, jan./abr, 2016.

VEBLEN, Thorstein Bunde. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

WOOD JR., Thomaz. Nostalgia do trabalho. Carta Capital. Edição 630, publicado 26/01/2011.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2019.v12i1.641

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Foco

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.