Nível empreendedor do camelódromo de Porto Velho - Rondônia: percepção de Trabalhadores por Conta Própria - TCP

Jean Marcos da Silva, Antônio Aguiar de Sousa, Levi Brito Costa, Eber Aguiar da Silva

Resumo


Os brasileiros têm procurado no trabalho por conta própria – TCP uma alternativa para geração de renda como meio de subsistência e combate ao desemprego. A atitude destes TCPs pode apresentar determinadas características de empreendedorismo conforme previsão e classificação proposta por Filion (1991) que defende os empreendedores como agentes capazes de promover o desenvolvimento local. A presente pesquisa objetivou identificar o nível empreendedor dos Trabalhadores por Conta Própria – TCPs do Camelódromo de Porto Velho – RO, a partir da percepção destes TCPs. A metodologia utilizada foi a exploratória com abordagem qualitativa e pesquisa de campo. Entrevistou-se a totalidade da população do Camelódromo de Porto Velho, estado de Rondônia. Como técnica de análise utilizou-se a análise paraconsistente conforme preceitua Sanches et al. (2011). Verificou-se um nível moderado de empreendedorismo no Camelódromo de Porto Velho-RO. As análises dos dados ainda indicaram a presença de empreendedores formais e informais e resultados diferenciados quanto ao nível empreendedor destes dois grupos de trabalhadores por conta própria: os trabalhadores informais possuem níveis menores quando comparados com os TCPs formais. Conclui-se que a ação de empreender junto aos atores está diretamente ligada à necessidade, se manifestando na tipologia que Dolabela chama de empreendedor por necessidade.

 

Brazilians have been looking for working as Self-Employed Workers - SEW as an alternative to income generation as a mean of subsistence and to fight unemployment. These SEW’s attitude may present certain characteristics of entrepreneurship according to the prediction and classification proposed by Filion (1991) which defends entrepreneurs as agents capable of promoting local development. The present research aimed to identify the entrepreneurial level of self-employed workers - SEW working on the Camelódromo in Porto Velho - RO, based on the perception of these SEWs. The methodology used was exploratory with qualitative approach and field research. The entire population on the Camelódromo in Porto Velho, Rondônia’s state, was interviewed. As a technique analysis, paraconsistent analysis was used according to Sanches et al. (2011). There was a moderate level of entrepreneurship on the Camelódromo in Porto Velho-RO. Data analysis also indicated the presence of formal and informal entrepreneurs and differentiated results regarding the entrepreneurial level of these two groups of self-employed workers: informal workers have lower levels when compared to formal ones. It was concluded that the action of undertaking with the actors is directly linked to the necessity, manifesting itself in the typology that Dolabela calls the entrepreneur by necessity.


Palavras-chave


Empreendedorismo; Trabalhadores por Conta Própria – TCP; Camelódromo de Porto Velho – RO

Texto completo:

PDF

Referências


BACKER, Paul de. Gestão ambiental: A administração verde. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1995.

BALDIN, N.; MUNHOZ, E. B.; Snowball (Bola de Neve): Uma Técnica Metodológica para Pesquisa em Educação Ambiental Comunitária. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/4398_2342.pdf Acesso em: 20/11/2017.

BARROS, F. S. O.; FIÚSA, J. L. A.; IPIRANGA, A. S. R.; O empreendedorismo como estratégia emergente de gestão: histórias de sucesso.in: 3º encontro de estudos organizacionais da anpad -eneo (2004: atibaia -sp). anais.atibaiaanpad, 2004.

BRADIN. L. Análise de conteúdo. Lisboa: Editora Edições 70, 1977.

BRASIL, Lei Complementar n° 128/08, de 19 de dezembro de 2008. Institui o Micro Empreendedor Individual. Disponível em: www.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional/> Acessado em: 16 jan. 2017.

CACCIAMALI, M. C. A economia informal, 20 anos depois. Indicadores Econômicos FEE, Porto Alegre: FEE, v.21, n.4, p.217-232, 1994.

CANTILLON, R.The entrepreneur – mainstream views & radical critiques. New York: Praeger, 1988.

CERVO, E T AL. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Pretice Hall, 2007.

DOLABELA, F. C. C. O. Segredo de Luísa: Uma idéia, uma paixão e um plano de negócios: como nasce o empreendedor e se cria uma empresa. São Paulo: Cultura, 1999.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier, 2001.

-----------------. Empreendedorismo na prática: Mitos e verdades do empreendedor de sucesso. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

ERNST E YOUNG. Nature or nurture? Decoding the DNA of the entrepreneur 2011–2012, World Finance e view , Sept. 2011.

FILION, LOUIS J.O Planejamento do seu sistema de aprendizagem empresarial: Identifique uma visão e avalie o seu sistema de relações. RAE – Revista de Administração de Empresas, FGV, São Paulo, julho/setembro 1991, Vol. 31.

GIL, A. C. Métodos e técnica de pesquisa social. 6. Ed. São Paulo: 2008.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Disponível em:

< http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?id_pesquisa=40 >. Acesso em : 14 jan 2017.

LORENA. H. O Trabalhador por conta própria no Brasil, 2013.

MARIA, J. P.; SOUZA, A. C.Micro Empresário Individual – Empreendedorismo e realidade administrativa atual. Disponível em: http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/2346/1/Jeferson%20Przyvitowski%20Maria.pdf Acesso em 11/03/2017.

MIRANDA, L.C.; KATAOKA, S.S.; DOS SANTOS, J.; SILVEIRA, G.M.C. Da Mesopotâmia às Tapioqueiras de Olinda: o pensamento contábil se revela. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade. v. 5, n. 3, art. 2, p. 24-47. set/dez. 2011.

PIETROBON, V.; OKAMOTO, P. Cartilha do Empreendedor Individual. 2009.

PORTAL DO EMPREENDEDOR. Disponível em< http://www.portaldoempreendedor.gov.br/> Acesso em: 14 jan. 2017.

PRANDI. R. O trabalho por conta própria sob o capitalismo. São Paulo: Símbolo, 1978.

SANCHES, CIDA et al. Análise qualitativa por meio da lógica paraconsciente: método de interpretação e síntese de informação obtida por Escalas Likert. III Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade, João Pessoa, PB, 20-22 nov., 2011.

SEBRAE. Histórias de horizontes fora da informalidade. 2013a. Disponível em:

sebrae.com.br>. Acesso em: 09 jan. 2017. Perfil do Micro Empreendedor Individual. 2015.

________.Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Disponível em: . Perfil Nacional. Acesso: 09 jan. 2017

SIMON, H. A.Comportamento administrativo: estudo dos processos decisórios nas organizações administrativas (3. ed.). Rio de Janeiro: FundaçãoGetúlio Vargas, 1979.

TIMMONS, J. A. New venture creation: entrepreneurship for the 21st century. Boston: Irwin, 1994.

VÉRAS, G. Como ser empresário. Revista Jovem Empreendedor, 1999.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.

ZAMPIER, M. A.; TAKAHASHI, A. R. W. Competências empreendedoras e processos de aprendizagem empreendedora: modelo conceitual de pesquisa. In. Cad. EBAPE.BR, vol. 9 n. spel, Rio de Janeiro, 2011.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2018.v11i1.493

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Foco

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.