A POLI (MONO)FONIA DO TELETRABALHO

Jane Kelly Dantas Barbosa, Carolina Machado Saraiva de Albuquerque Maranhão, Ana Flávia Rezende

Resumo


O teletrabalho vem ganhando destaque e um número considerável de adeptos frente aos imperativos de maior flexibilidade e redução de custos do mercado globalizado e inconstante em que as organizações e profissionais estão inseridos. Diante disso, torna-se um tema que merece atenção no mundo corporativo e acadêmico por se tratar de um campo multifacetado e ainda pouco explorado. O objetivo deste artigo consiste em analisar os sentidos de teletrabalho encontrados nas revistas Você S.A. e Exame, exemplares da literatura popular de gestão ou literatura pop management; identificando as palavras e expressões encontradas com maior frequência nas publicações acerca da temática e analisando-as enquanto categorias de sentido. A natureza deste estudo é qualitativa e exploratória, utilizando análise de conteúdo para tratamento dos dados. Foram analisadas as publicações sobre teletrabalho nas revistas citadas no período de 2010 a 2016, demonstrando as visões comumente relacionadas à temática e contribuindo para o melhor entendimento acerca do fenômeno teletrabalho. A partir dos resultados obtidos é possível inferir que o teletrabalho carece de atenção em relação à sua delimitação, conceituação e regulação jurídica, a fim de atribuir mais segurança aos envolvidos e mais credibilidade às estatísticas e estudos realizados. Apesar de ser um tema que conceitual e legalmente ainda está sendo construído, existe um conjunto de publicações de pop management que contribui para a construção de um conceito mais homogêneo sobre o teletrabalho, caracterizando uma “monofonia” e revelando a necessidade da realização de estudos que contemplem suas especificidades e as brechas existentes.

 

Teleworking has been gaining prominence and a considerable number of adepts facing the imperatives of greater flexibility and cost reduction in the globalized Market and inconsistent in which organizations and professionals are embedded. Given this, it becomes a topic that deserves attention in the corporate and academic world because it is a multifaceted field and still little explored. The objective of this article is to analyze the senses of telework found in the magazines Você S.A. and Exame, exemplars of the popular management literature or literature pop management; identifying the words and expressions found most frequently in the publications about the theme and analyzing them as categories of meaning. The nature of this study is qualitative and exploratory, using content analysis for data treatment. The publications on teleworking were analyzed in the journals cited in the period from 2010 to 2016, demonstrating the visions commonly related to the subject and contributing to the better understanding about the telework phenomenon. From the results obtained it is possible to infer that teleworking needs attention in relation to its delimitation, conceptualization and legal regulation, in order to give more security to those involved and more credibility to the statistics and studies carried out. Although it is a subject that is conceptually and legally still being built, there is a set of pop-management publications that contribute to the construction of a more homogeneous concept of teleworking, characterizing a "monophony" and revealing the need to carry out studies that their specificities and existing gaps.


Palavras-chave


Teletrabalho; Home Office; Pop Management

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Palavras e sinais: modelos críticos. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

ARAÚJO, E.; BENTO, S. C. Teletrabalho e aprendizagem: contributos para uma problematização. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, Ministério da Ciência e da Tecnologia, 2002.

BALAKER, T. The Quiet Success: Telecommuting’s impact on transportation and beyond. Policy Studies Journal, n. 338, pp. 1-57, 2005.

BARBOSA, J. K. D. ; MARANHÃO, C. M. S. de A.; PEREIRA, J. J. Sobre o Tempo Livre na Era do Teletrabalho. In: V Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, Anais... 2015, Salvador. V EnGPR, 2015.

BARROS, A. M.; SILVA, J. R. G. da. Percepções dos indivíduos sobre as consequências do teletrabalho na configuração home-office: estudo de caso na Shell Brasil. Cadernos EBAPE, v. 8, n. 1, pp. 72-91, 2010.

BORIS, E.; DANIELS, C. R. Homework: Historical and Contemporary Perspectives on Paid Labor in the Home. Illinois: University of Illinois Press, 1989.

BRASIL. Lei nº 12.551, de 15 de dezembro de 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 jul.2016.

BRASIL. Decreto-Lei nº 5452, de 1º de maio de 1943. Consolidação das Leis de trabalho. Disponível em: . Acesso em: 26 jul.2016.

BUSS, R. N.; TAVARES, A. M. de M.; SANTOS, A. A. dos. O Pop-Management e a Leitura como Diferencial na Formação do Gestor. In: XIV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA – CIGU. Anais… 2014, Santa Catarina. XIV CIGU, 2014.

CARVALHO, J. L. F. S.; CARVALHO, F. A. A.; BEZERRA, C.C. O monge, o executivo e o estudante ludibriado: uma análise empírica sobre leitura eficaz entre alunos de administração. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, pp. 537-549, 2010.

CHEN, W.; MCDONALD, S. Do networked workers have more control? The implications of teamwork, telework, ICTs, and social capital for job decision latitude. American Behavioral Scientist, v. 59, n. 4, pp. 492-507, 2014.

COLLINS, A. M.; CARTWRIGHT, S.; HISLOP, D. Homeworking: negotiating the psychological contract. Human Resource Management Journal, v. 23, n. 2, pp. 211-225, 2013.

COSTA, I. de S. A. da. Controle em novas formas de trabalho: teletrabalhadores e o discurso do empreendedorismo de si. Cadernos EBAPE. BR, v. 11, n. 3, pp. 462-474, 2013.

COSTA, I. de S. A. da. Teletrabalho: subjugação e construção de subjetividades. Revista de Administração Pública, v. 41, n. 1, pp. 105-124, 2007.

COSTA, I. de S. A. da. Poder/Saber e Subjetividade na Construção do Sentido do Teletrabalho. 2003, 124 f. Tese (Doutorado em Administração). Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas - Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2003.

DA COSTA, A. M.; BARROS, D. F.; MARTINS, P. E. M. A alavanca que move o mundo: o discurso da mídia de negócios sobre o capitalismo empreendedor. Cadernos EBAPE. BR, v. 10, n. 2, 2012.

DE MASI, D. O ócio criativo. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.

FELSTEAD, A.; JEWSON, N.; PHIZACKLEA, A.; WALTERS, S. A Statistical Portrait of Working at Home in the UK: Evidence from the Labour Force Survey. Working Paper, n. 4, pp. 1-46, 2000.

FELSTEAD, A; JEWSON, N; WALTERS, S. The changing place of work. ESRC Future of Work Programme. Working Paper, n. 28, pp. 1-44, 2003.

FONSECA, F. A. Grande imprensa e a constituição da agenda ultraliberal na Nova República. Estudos Históricos, v. 31, 2003.

GAULEJAC, V. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Ideias e Letras, 2007.

HUNTON, J. E.; NORMAN, C. S. The Impact of Alternative Telework Arrangements on Organizational Commitment: Insights from a Longitudinal Field Experiment (Retracted). Journal of Information Systems, v. 24, n. 1, pp. 67-90, 2010.

HYNES, M. Telework isn’t working: a policy review. The Economic and Social Review, v. 45, n. 4, pp. 579-602, 2014.

HYNES, M.; RAU, H. Environmental Gains and Social Losses? Critical Reflections on the Sustainability Potential of Telework. In: Anais do XVIII ISA World Congress of Sociology. Anais... Yokohama, Japan, 2014.

MEDRADO, B. Textos em cena: a mídia como prática discursiva. In: SPINK, M. J. (org.). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 1999.

MELLO, H. D. A.; TONELLI, M. J. O tempo e as organizações: Concepções do Tempo em Periódicos de Estudos Organizacionais. Anais do II Eneo, ANPAD, Recife, 2002a.

MELLO, H. D. A.; TONELLI, M. J. Tempo é dinheiro? A construção do tempo na administração contemporânea. Anais do XXVI EnANPAD, ANPAD, Salvador, 2002b.

MELLO, J. A. Managing telework programs effectively. Employee Responsibilities and Rights Journal, v. 19, n. 4, pp. 247-261, 2007.

NOHARA, J. J.; ACEVEDO, C. R.; CAMPANÁRIO, M. de A.; RIBEIRO, A. F. Entre o prazer e o sofrimento: Representações sociais dos teletrabalhadores. In: Anais XXXII Encontro da Nacional Anpad. Anais... Rio de Janeiro, 2008.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Convenio sobre el trabajo a domicilio, 1996 (n. 177). In: 83ª reunión CIT, Ginebra, 1996. Disponível em: . Acesso em: 28 jul.2015.

PINEL, M. de F. Teletrabalho: o trabalho na era digital. 1998. Dissertação (Mestrado em Contabilidade). Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ, Rio de Janeiro, 1998.

PRÜGL, E.; TINKER, I. Microentrepreneurs and homeworkers: convergent categories. World Development, v. 25, n. 9, pp. 1471-1482, 1997.

Receber Ligações ou E-Mail fora do Expediente pode contar como Horas Extras? Revista Exame. São Paulo, 16 jan. 2012. Disponível em: http://exame.abril.com.br/economia/receber-ligacoes-ou-e-mail-fora-do-expediente-pode-contar-como-horas-extras/. Acesso em: 23 jul.2017.

ROCHA, C. J. da; MUNIZ, M. K. de C. B. O teletrabalho à luz do artigo 6º da CLT: o acompanhamento do direito do trabalho às mudanças do mundo pós-moderno. Revista do Tribunal Regional do Trabalho, 3ª Região, Belo Horizonte, v. 87/88, n. 57, pp.101-115, 2013.

ROSENFIELD, C. L.; ALVES, D. A. de. Autonomia e trabalho informacional: o teletrabalho. Dados Rev. Ciências Sociais, v. 54, n. 1, pp. 207-233, 2011.

SARSUR, A. M.; LICIO, F. G.; VERSIANI, A. F.; AMORIM, W. A. C. Aspectos culturais em organizações virtuais: novidades ou mascaramento de concepções tradicionais? In: Anais do XXVIII Encontro da Nacional Anpad. Anais... Curitiba, 2004.

SEWELL, G.; TASKIN, L. Out of sight, out of mind in a new world of work? Autonomy, control, and spatiotemporal scaling in telework. Organization Studies, v. 36, n. 11, pp. 1507-1529, 2015.

SILVA, F. S. E. O teletrabalho como novo meio de laborar e sua compatibilidade com o ordenamento jurídico brasileiro. Revista CEJ, Brasília, n. 27, pp. 102-109, 2004.

SILVA, R. R. da. Home-officer: um surgimento bem-sucedido da profissão pós-fordista, uma alternativa positiva para os centros urbanos. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 1, n. 1, pp. 85-94, 2009.

SMITH, F. D. Telework in the federal government: Identifying solutions for telework barriers. 2012, 165 f. Tese (Doutorado em Filosofia). Northcentral University, 2012.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE TELETRABALHO E TELEATIVIDADE (SOBRATT). Disponível em http: / http://www.sobratt.org.br//>. Acesso em 28 jul.2015.

TIETZE, S.; NADIN, S.. The psychological contract and the transition from office‐based to home‐based work. Human Resource Management Journal, v. 21, n. 3, pp. 318-334, 2011.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.

WOOD JR., T.; PAES de PAULA, A P. Pop-management: a literatura popular de gestão no Brasil. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Relatório de Pesquisa n. 3, 2002.

WOOD JR., T.; PAES de PAULA, A. P. Pop-management: grandes empresas de consultoria no Brasil. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas - Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Relatório de Pesquisa n. 8, 2004.

YINAT, J. Relationship of management performance practices on telework resistance outcomes in the US federal government. Tese (Doutorado em Filosofia). Capella University, 2014.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2017.v10i3.454

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Foco

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.