ISOMORFISMO NORMATIVO: influência das instituições na construção do perfil do Administrador

Luis Phillipe da Silva Inglat, Elines Tatianes Pereira dos Santos, Célio da Silva Pupo Junior

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar o processo de institucionalização do perfil do administrador a partir do isomorfismo normativo, observado principalmente na adoção de políticas de profissionalização. Na primeira parte, é feita uma revisão na literatura sobre a Teoria Institucional e uma reflexão dos debates dos seus principais autores. Analisa-se as influências estrangeiras na construção do modelo “brasileiro” de administração e o papel das instituições na concepção do perfil do administrador brasileiro. Na segunda parte, são analisadas três entrevistas de executivos, retiradas de um jornal online com a finalidade de verificar como o processo de isomorfismo normativo se dá por meio das organizações. E por fim, os resultados sugerem um comportamento de homogeneização no perfil do administrador, que parece ser recorrente em diferentes organizações e se mantém como mecanismo de legitimação no campo organizacional.

 

This paper aims to analyze the process of institutionalization of the administrator’s profile in the process of normative isomorphism, observed mainly in the adoption of professionalization policies. In the first part, there is a literature review of the Institutional Theory and a reflection on the debates of its main authors. The foreign influences are analyzed in the construction of the "Brazilian" model of management and the role of institutions in the design of the brazilian administrator’s profile. In the second part, three interviews of CEO’s were taken from an online newspaper and analyzed with a purpose to verificate how the process of normative isomorphism happens through the organizations. Finally, the results point to a homogenization behavior in the administrator’s profile, which is recurrent in different organizations and remains a mechanism of legitimacy in the organizational field.


Palavras-chave


Teoria Institucional; Isomorfismo; Organização; Administrador brasileiro

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Lilian B.; Andrade, J. O.; NETO, A. C.; TANURE, B.; CARRIERI, A. P.. O Isomorfismo entre Executivos nas Maiores Empresas Brasileiras. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, v. 3, p. 95-107, 2010.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, p. 27-71, 1994.

BERTERO, Carlos Osmar et al. Os desafios da produção de conhecimento em administração no Brasil. Cadernos EBAPE. BR, v. 11, n. 1, p. 181-196, 2013.

CALDAS, Miguel P. Santo de casa não faz milagre: condicionantes nacionais e implicações organizacionais da fixação brasileira pela figura do “estrangeiro”. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, p. 73-93, 1997.

CAPES. Boletim Capes, n. 72, 1958.

CARVALHO, C. A.; VIEIRA, M. M. F.; GOULART, S. A trajetória conservadora da teoria institucional. Revista de Administração Pública, v. 39, n. 4, p. 849-874, 2005.

CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO. Pesquisa Nacional: Perfil, formação, atuação e oportunidades de trabalho do profissional de administração. Brasília: CFA, 2015.

DIMAGGIO, P.; POWELL, W. W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, p. 74-89, 2005.

DUARTE, Danielle V.; TAVARES, B.. Institucionalismo e Determinações Governamentais: Evidências de Isomorfismo em Empresas de Base Tecnológica. ENAPG - Encontro de Administração Pública e Governança, 2012, Salvador. ENAPG 2012, 2012.

FISCHER, Tânia. O ensino de administração pública no Brasil, os ideais de desenvolvimento e as dimensões da racionalidade. Dissertação de Doutorado. São Paulo: USP, 1984.

GUARIDO FILHO, E. R.; MACHADO-DA-SILVA, C. L.; GONCALVES, S. A.. Institucionalização da teoria institucional no contexto dos estudos organizacionais no Brasil. XXXIII Encontro da ANPAD (EnANPAD), São Paulo, 2009.

GONDIM, Sônia Maria Guedes. Perfil profissional e mercado de trabalho: relação com a formação acadêmica pela perspectiva de estudantes universitários. Estudos de psicologia, v. 7, n. 2, p. 299-309, 2002.

GRANT, J.; MILLS, A. The quiet Americans: formative context, the Academy of Management Leadership, and the management textbook, 1936-1960. Management & Organizational History, v. 1, n. 2, p. 201-224, 2006.

HUGHES, E. C. The ecological aspect of institutions. American Sociological Review, v. 1, n. 2, p. 180-189, 1936.

MCLAREN, P.; MILLS, A. A product of “his” time? Exploring the construct of the ideal manager in the Cold War era. Journal of Management History, v. 14, n. 4, p. 386-403, 2008.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 621-626, Mar. 2012.

______. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo:

HUCITEC, 2007.

MOTTA, Fernando C. Prestes; ALCADIPANI, Rafael; BRESLER, Ricardo B. A valorização do estrangeiro como segregação nas organizações. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, n. SPE, p. 59-79, 2001.

______. A questão da formação do administrador. Revista de Administração de Empresas, v. 23, n. 4, p. 53-55, 1983.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis, Vozes, 2007.

PATTON, Michael Quinn. Qualitative evaluation and research methods. SAGE Publications, inc, 1990.

PECI, Alketa. A nova teoria institucional em estudos organizacionais: uma abordagem crítica. Cadernos EBAPE. BR, v. 4, n. 1, p. 1-12, 2006.

RAFFAELLI, R., GLYNN, M. A. Institutional innovation: Novel, useful, and legitimate. Boston College Chestnut Hill, MA, 2013.

SCOTT, W. R. Institutions and organizations. Thousand Oaks: Sage 2. ed., 2001.

______. Institutions and organizations: Ideas and interests: Sage Publications, 2008.

SERVA, Maurício. A importação de metodologias administrativas no Brasil-uma análise semiológica. Revista de Administração Pública, v. 26, n. 4, p. 128-144, 1992.

______. Contribuições para uma teoria organizacional brasileira. Revista de Administração Pública, v. 24, n. 2, p. 10-21, 1990.

SELZNICK, P.. Leadership in Administration: A Sociological Interpretation. Berkeley: University of California Press, 1957.

SCHAPIRO, Mario Gomes. Paradigma da dotação institucional. In: SCHAPIRO, Mario Gomes. Governança administrativa, dinâmica institucional e financiamento industrial no Brasil: novos parâmetros, velhos problemas, FGV, São Paulo, 2010.

VIEIRA, Marcelo M.F. Por uma (boa) pesquisa qualitativa em administração. In: VIEIRA, Marcelo Milano Falcão; Zouain, Deborah Moraes. Pesquisa qualitativa em administração, FGV, Rio de Janeiro, 2004.

WANDERLEY, Sergio. Estudos organizacionais, (des) colonialidade e estudos da dependência: as contribuições da Cepal. Cadernos EBAPE. BR, v. 13, n. 2, p. 237, 2015.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2017.v10i2.361

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.