A ESCOLHA PELA PERMANÊNCIA NO TRABALHO APÓS A VIOLÊNCIA NELE SOFRIDA: um estudo com vítimas de assédio moral

Victor Vieira Silva

Resumo


O assédio moral no trabalho é uma violência intencional e frequente, praticada entre os empregados, de diferentes níveis hierárquicos ou não, com o intuito de desqualificar a sua vítima, podendo levar à sua saída da empresa. Contudo, muitos empregados permanecem em seus trabalhos, mesmo sofrendo este tipo de violência. Diante disso, o presente artigo tem como objetivo compreender os motivos que levaram as vítimas de assédio moral a permanecerem no trabalho, mesmo após a violência nele vivenciada. Para tanto, realizou-se uma pesquisa qualitativa, descritiva e de campo, utilizando-se de entrevistas como instrumento para obtenção de material empírico. Os resultados permitem considerar que muitos são os motivos usados para explicar a permanência no trabalho, e não se restringem a aspectos de manutenção, como salário, mas, também, a aspectos motivacionais, como o reconhecimento dos colegas de trabalho.

 

The moral harassment at work is a deliberate and frequent violence, practiced among the employees, of different hierarchical levels or not, in order to disqualify their victim, which may lead to his departure from the company. However, many employees remain in their jobs, even suffering from this type of violence. Given this, this article aims to understand the reasons why the victims of moral harassment remain at work, even after the violence it experienced. To this end, was held a qualitative research, descriptive and of field, using interviews as a tool for obtaining empirical material. The results allow to consider that many are the reasons used to explain the permanence at work, and not restricted to maintenance aspects, such as salary, but, also, the motivational aspects, such as the recognition of co-workers.

 


Palavras-chave


Relações de trabalho; Assédio Moral; Motivos da Permanência no Trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


BACCHI, G. A.; PINHEIRO, D. R. C.; PINTO, F. R. Assédio moral e resiliência no local de trabalho. Revista Ciências Administrativas, v. 18, n. 1, p. 301-330, 2012.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BERGAMINI, C. W. Motivação nas organizações. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

EINARSEN, S. The nature and causes of bullying at work. International Journal of Manpower, v. 20, n. 1, p. 16-27, 1999.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: grandes temas em debate. RAE eletrônica, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 73-82, 1991.

______. Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações.

Revista de Administração de Empresas, v. 41, n. 2, p.8-19, abr./jun. 2001.

. Quem paga a conta do assédio moral no trabalho? Revista de Administração de Empresas, v. 6, n. 1, 2007.

HIRIGOYEN, M. Mal-Estar no Trabalho: redefinindo o assédio moral. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

FRONTZEK, L. G. M. Assédio moral: novos rumos da violência psicológica no trabalho. 2009. Dissertação: (Mestrado Psicologia) – Universidade Federal de Minas Gerais. 2009.

GIDDENS, A. Sociologia. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

HANNABUSS, S. Byllying at work. Library Management, v. 19, n. 5, p. 304-310, 1998.

HELOANI, R. Assédio moral: um ensaio sobre a expropriação da dignidade no trabalho. RAE eletrônica, v. 3, n. 1, 2004.

______. A dança da garrafa: assédio moral nas organizações. GV Executivo, v. 10, n. 1, 2011.

LEYMANN, H. The content and development of mobbing at work. European Journal of Work and Organizational Psychology, v. 5, n. 2, p. 165-184, 1996.

MACIEL, S. E. V.; SÁ, M. A. D. Motivação no trabalho: uma aplicação do Modelo dos Dois Fatores de Herzberg. Studia Diversa, CCAE-UFPB, v. 1, n. 1, p. 62-86, out. 2007.

MORGAN, G. Organizações como sistemas políticos. In:______. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 1996. Cap. 6, p. 145-203.

NUNES, T. S.; TOLFO, S. R. Assédio moral em universidades: as possíveis consequências em comentar e/ou denunciar a violência. Administração Pública e Gestão Social, v. 5, n. 4, p. 148-155, 2013.

RODRIGUES, M.; AALTONEN, A. A reação ao assédio moral no ambiente do trabalho. ReCaPe – Revista de Carreiras e Pessoas, v. 3, n. 2, p. 76-86, 2013.

SAMPAIO, J. R. O Maslow desconhecido: uma revisão dos seus principais trabalhos sobre motivação. Revista de Administração, v. 44, n. 1, p. 5-16, 2009.

SCHEIN, E. H. Cultura organizacional e liderança. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

SILVA, V. V.; NAKATA, L. E. Da deterioração das relações à escolha pela permanência: o assédio moral no trabalho. ReCaPe – Revista de Carreiras e Pessoas, v. 6, n. 2, p. 206-214, 2016.

SILVEIRA, D. T.; CÓRDOVA, F. P. A pesquisa científica. In: GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. cap. 2, p. 31-42.

SOUZA, G. P.; SANTOS, K. Z.; VASCONCELLOS, M. O. Conflitos interpessoais no ambiente organizacional. FOCO: Revista de Administração e Recursos Humanos da Faculdade Novo Milênio, v. 7, n. 1, p. 43-58, 2014.

VALADÃO JÚNIOR, V. M.; MENDONÇA, J. M. B. Assédio moral no trabalho: dilacerando oportunidades. Cadernos EBAPE.BR, v. 13, n. 1, p. 19-39, 2015.

VASCONCELOS, Y. L. Assédio moral nos ambientes corporativos. Cadernos EBAPE.BR, v. 13, n. 4, p. 821-851, 2015.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2017.v10i1.328

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.