MARKETING VERDE COMO PROPENSA VANTAGEM COMPETITIVA SUSTENTÁVEL DE UMA ORGANIZAÇÃO

Cleber Vasconcelos Moreira

Resumo


O crescimento da preocupação com as consequências ambientais diante do consumo desenfreado tem levantado à questão da necessidade de um consumo consciente. Diante disso, um novo segmento de mercado tem sido encontrado, sendo denominados consumidores ecologicamente conscientes ou consumidores Verdes. Neste novo cenário valoriza-se a flexibilidade, a velocidade nos processos de mudanças e inovação, as competências em utilizar recursos escassos, além da sensibilidade de perceber novas tendências de mercado à frente dos concorrentes e a capacidade de elaborar e fomentar ofertas em função das antecipações dos desejos e necessidades dos clientes. A dificuldade de previsão tornou-se ponto chave. É neste momento que se observa a relevância na valorização das preocupações de caráter ambiental como recursos na obtenção de vantagem competitiva. Essas duas nuancem Vantagem Competitiva e Marketing Verde levaram a este estudo. Deste modo, foi realizado um estudo multicaso com duas empresas do setor industrial localizadas no Espirito Santo. Os resultados comprovaram que as empresas, mesmo a que investe em meio ambiente, não o faz de forma estratégica. Ainda não há uma ampla utilização do tema como fonte recurso para ser um diferencial frente ao concorrente. Ou seja, as empresas analisadas ainda não entendem o Marketing Verde como vantagem competitiva. 


Palavras-chave


Vantagem competitiva; Estratégia como prática; Marketing Verde

Texto completo:

PDF

Referências


Aaker, David A. (1984). How to select a business strategy. California Management Review. 167-175.

Ansoff, H. I., & McDonnell, E. J. (1993). Implantando a Administração Estratégica. São Paulo: Atlas.

Barbieri, J. C., & Cajazeira, J. E. R. (2009). Responsabilidade social empresarial e empresa sustentável. São Paulo: Saraiva.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management. 17 (1), 99-120.

Barney, J. (2002). Gaining and Sustaining Competitive Advantage. 3. ed. New Jersey: Prentice-Hall.

Black, L. D. (2006). Corporate Social Responsability as Capabilities: The case of BHP billion. The Journal of Corporate Citizenship.

Bryman, Alan. Social Research Methods. 4 ed. Oxford University Press, 2011.

Callenbach, E. et al. Gerenciamento ecológico - ecomanagement. São Paulo: Cultrix, 1993.

Cassiolato, J.; LASTRES, H. Arranjos Produtivos Locais: uma nova estratégia de ação para o Sebrae. Glossário de Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos. 2003.

Cervo. A. L., BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 6.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

Chandler, A. D. (1992) Organizational capabilities and the economic history of the industrial enterprise. Journal of Economic Perspectives. 6 (3), 79-100.

Clarkson, M. B. E. (1995). A stakeholder framework for analyzing and evaluating corporate social performance. Academy of Managment Review. 20 (1), 92-117.

Dias, R. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. 2ed. São Paulo: Atlas, 2011.

Elkington, J. (2001). Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makroon Books.

Gil, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

Gonzaga, C. A. M. Marketing verde de produtos florestais: teoria e prática. Revista Floresta, Curitiba, Paraná, v.35 n. 2, mai./ago. 2005.

Grant, R. M. (1991). The resource – based theory of competitive advantage: Implications for strategy formulation. California Management Review. 33 (3), 114-135.

Hart, S. L. (1995). A Natural-Resource-Based View of the firm. The Academy of Management Review. 20 (4), 986-1014.

Husted, B. W., & Allen, D. B. (2001). Toward a model of corporate social strategy formulation. Proceedings of the Social Issues in Management Division at Academy of Management Conference, Washington D.C., Washington, Estados Unidos.

Kruglianskas, I., Aligleri, L., & Aligleri, L. A. (2009). Gestão socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio. São Paulo: Atlas.

Jöhr, H. O verde é negócio. 8a. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

Laville, E. (2009). A empresa verde. São Paulo: ÕTE.

Malhotra, N. Pesquisa de marketing: foco na decisão. 3. ed. São Paulo: Pearson, 2011.

McWillians, A., Siegel, D. S., & Wrigth, P. M. (2005). Corporate Social Responsability: Strategic Implications. Rensselaer Working Papers in Economics.

Miguel, P. A. C. (coord.); FLEURY, A.; MELLO, C. H. P.; NAKANO, D. N.; TURRIONI, J. B.; HO, L. L.; MORABITO, R.; MARTINS, R. A.; PUREZA, V. Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. ABEPRO, Campus, Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

Ottman J. A. As novas regras do marketing verde: estratégias, ferramentas e inspiração para o branding sustentável. São Paulo: M. Books do Brasil Editora Ltda, 2012.

Penrose, E. T. (2009). A teoria do crescimento da firma. São Paulo: Unicamp.

Peteraf, M. A. (1993). The cornerstones of competitive advantage: a resource-based view. Strategic Management Journal. 14, 179-191.

Polonsky, M. J. An introduction to Green Marketing. Eletronic Green Journal, v. 1, nov. 1994.

Porter, M. E. (1991). Toward a dynamic theory of strategy. Strategic Management Journal. 12, 95-117.

Porter, M. E. (1999). "O que é estratégia?" In: Porter, M. E. Competição: Estratégias Competitivas Essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

Prahalad, C., & Hamel, G. (1990). The core competence of the corporation. Harvard Business Review. 68 (3), 79-91.

Saunders, T.; MCGOVERN, L. The bottom line of Green is Black. 10thed. New York:

Harper Collins, 1997.

Severino, A. (2007). Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez.

TERRES, M. da S.; BRANCHI, I. H. Going Green: consumo sustentável e as estratégias de marketing verde. Revista Eletrônica do Mestrado em Administração da Universidade Potiguar(raUnp). Ano V, n.1 – out.2012/mar.2013.

Veiga Neto, A. R.; FILGUEIRAS, C.R.M. Variáveis relevantes de marketing verde para a estratégia como prática. Encontro internacional sobre gestão empresarial e meio ambiente - ENGEMA. ANAIS. 2013.

Vergara, S. C. Métodos de pesquisa em administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

Wernerfelt, B. (1984). A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal. (5), 171-180.

Wood, D. J. (1991). Corporate Social Performance Revisited. The Academy of Management Review. 16 (4), 691-718.

YIN, Robert K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2015.v8i2.183

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.