A ESCOLA CONTEMPORÂNEA E A VIOLÊNCIA ESCOLAR: um paradigma obsoleto aos alunos com altas habilidades / superdotação

Alberto Padrón Abad, Thaís Marluce Marques

Resumo


O paradigma cartesiano, em termos gerais, acredita que os fenômenos físicos podem ser reduzidos em partes mais simples, sua prática pedagógica está baseada em ações mecânicas e autoritárias que provocam que o aluno escute, leia, decore e repita. Paradigma que inclui mitos, crenças e atitudes que podem influir na percepção docente e, portanto, na aceitação inconsciente da violência escolar. Para analisar este tema usaremos o conceito de cognição social que se refere a processos mentais mediante os quais os sujeitos selecionam, interpretam e usam a informação para fazer julgamentos e tomar decisões. Assim, a partir dessa temática e da conclusão do “Curso de Altas Habilidades / Superdotação numa Perspectiva Inclusiva”, organizado pelo Centro de Atividades de Altas Habilidades / Superdotação (CAAH/S) na cidade de Macapá, que se cogitou a construção deste artigo com o objetivo de revisar o paradigma educativo cartesiano e sua prática nas salas de aula com intuito de analisar se o mesmo é um empecilho para detectar oportunamente as AH/SD em crianças, levando-as assim a um envolvimento com a violência escolar. A metodologia do artigo está embasada numa pesquisa bibliográfica, exploratória e descritiva que inclui livros e publicações periódicas que abordam as temáticas anteriormente comentadas e as teorias de Howard Gardner e de Joseph Renzulli. Para concluir: a violência pode ser observada tanto por ação quanto por omissão, assim negar as necessidades dos alunos AH/SD por inabilidade na sua identificação ou por desinteresse é um ato violento que pode chegar a ser considerado como violência paradigmática.

 

El paradigma cartesiano, en términos generales, establece que los fenómenos físicos pueden ser reducidos en partes más simples, su práctica pedagógica está basada en acciones mecánicas y autoritarias que provocan que el alumno escuche, lea, memorice y repita. Paradigma que incluye mitos, creencias y actitudes que pueden influir en la percepción docente y, por lo tanto, en la aceptación inconsciente de la violencia escolar. Para analizar este tema se recurrirá al concepto de cognición social que se refiere a los procesos mentales con que los sujetos seleccionan, interpretan y utilizan la información para hacer juicios y tomar decisiones. Así, a partir de esta temática y de la conclusión del “Curso de Altas Habilidades / Superdotación en una Perspectiva Inclusiva”, organizado por el Centro de Actividades de Altas Habilidades / Superdotación (CAAH/S) en la ciudad de Macapá, se pensó en la construcción de este trabajo con el objetivo de revisar el paradigma educativo cartesiano y su práctica en el salón de clases, con la intención de analizar si el mismo representa es un obstáculo para detectar oportunamente las AH/SD en alumnos, llevándolos inclusive a involucrarse con la violencia escolar. La metodología empleada se basa en una investigación bibliográfica, exploratoria y descriptiva con libros y publicaciones periódicas que abordan las temáticas anteriormente comentadas y las teorías de Howard Gardner y de Joseph Renzulli. Finalmente: la violencia puede ser observada tanto por acción como por omisión, así, negar las necesidades de los alumnos AH/SD por incapacidad o por desinterés en su identificación es un acto violento que puede llegar a ser considerado como violencia paradigmática.


Palavras-chave


Altas Habilidades / Superdotação; Violência escolar; Bullying Paradigma educativo; Violência Paradigmática

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, Pilar Alonso Martin. La visión del fenómeno bullying en alumnos del curso de Aptitud Pedagógica en los años 2005/06 y 2006/07: Semejanzas y diferencias. Estudios sobre Educación. 17, 125-144. Facultad de CC.EE. Facultad de Psicologia Evolutiva y de la Educación. Universidad de Huelva. 2009.

BAHÍA, Bock Ana Mercês. A adolescencia como construção social: estudo sobre livros destinados a pais e educadores. Adolescencia como uma construção social. Revista semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE) Volume II. Número 1 Janeiro/Julho, 63-76. 2007.

BRASIL. Resolução N° 4, de 2 de outubro de 2009. Diário Oficial da União, Brasilia, 5 out. 2009, seção 1. p.17. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2015

BEHRENS, Marilda Aparecida. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis: Ed. Vozes. 2010.

BERTOTTI, Rudimar Gomes, et al. Mudança de paradigma: Desafio para o professor de educação superior. X Congresso Nacional de Educação EDUCERE. I Seminário Internacional de Representações Sociais, Subjetividade e Educação SIRSSE. Pontificia Universidade Católica do Paraná. Curituba. 11562 - 11575. 2011.

BEZERRA, de Andrade Fernando Cézar. Ser uma lição permanente: Psicodinâmica da competência inte-relacional do (a) educador (a) na gestão de conflitos e na prevenção da violência na escola. Tese (Doutorado em Educação) 2007. Universidade Federal de Paraiba.

BOND, Lyndal. et al. Does bullying cause emotional problems? A prospective study of young teenagers. BMJ Centre of Adolescent Health, Set. 480-484. 2001.

BRASIL. Censo Nacional da Educação Básica 2014. INEP Brasil. Disponível em Acesso em 30 de Setembro de 2015.

BURGARDT, Lilian. Brasil não conhece seus superdotados. Universia. 04 junho 2008. Disponível em: . Acesso em: 30 de Setembro 2015.

CABEZAS, Maria Fernández. et al. Estudio de la percepción que el profesorado en activo posee sobre el maltrato entre iguales. Revista de Currículum y formación del Profesorado 10, 2, 2006.

CABEZAS, Pizarro Hannia. Detección de conductas agresivas "Bullyings" en escolares de sexto a octavo año, en una muestra costarricense. Revista Educación 31 (1), 123-133. 2007

CEREZO, Fuensanta. Bullying: análisis de la situación en las aulas españolas. International Journal of Psychology and Psychological Therapy. Universidad de Murcia. España. 9, 3, 367-378. 2009.

CONBRASD. Revista Brasileira de Altas Habilidades / Superdotação. Conselho Brasileiro para superdotação. 1, 1, 2013. Disponível em: . Acesso em: 30 de Setembro. 2015.

DE MORAIS, Dalosto, Marcília. O aluno com Altas Habilidades e o Bullying: Manifestações, prevalência e impactos. Tese (Doutorado em Educação). 2011. Universidade Católica de Brasilia.

DRESSER, Denisse. El país de uno: reflexiones para entender y cambiar a México. Ciudad de México: Aguilar Ediciones. 2011.

EL PAIS. El 40% de los superdotados no supera la ESO por falta de estímulo. 10 Dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 30 de Setembro de 2015.

EL UNIVERSAL. Sufren Bullying mayoría de niños superdotados. 23 de Agosto de 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 de setembro de 2015.

GARDNER, Howard. Estructuras de la mente: La Teoría de las Múltiples Inteligencias. Madrid: Fondo de Cultura Económica de España. 1994.

GUERREIRO, Gabriela. Requião afirma que tomou gravador porque sofreu 'bullying' Folha de S. Paulo. 26 de abril de 2011. Disponível em: . Acesso em: 30 de Setembro de 2015.

KUHN, Thomas Samuel. The Structure of Scientific Revolutions. 2 ed. Chicago and London: University of Chicago Press. 1970.

LANGMAN, Peter. Shakespeare and school shooters. Can we learn from school shooters´ references to Shakespeare? Psychology Today. 01 Out. 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 de Setembro de 2015.

LÓPEZ NETO, Aramis A. Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria. Sociedade Brasileira de Pediatria. Rio de Janeiro. Vol 81 No 5, 18. 2005.

MORAIS, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. 1998. Disponível em: . Acesso em: 30 de Setembro de 2015.

NEGRINI, Tatiane, et al. A identificação e a inclusão de alunos com características de altas habilidades/superdotação: discussões pertinentes. Revista Educação Especial n. 32, 273-284. 2008.

OLIVEIRA, Miriam. Alunos com Altas Habilidades/Superdotação e o fenômeno Bullying. Tese (Mestrado em Educação). 2012. Universidade Federal de Santa Maria.

ORTEGA, Rosario, et al. Emociones de agresores y víctimas de cyberbullying: Un estudio preeliminar en estudiantes de secundaria. Revista Ansiedad y estrés. Universidad de Córdoba, 15 (2-3), 151-165. Janeiro 2009.

PEREIRA, Anderson, et al. Representações sociais e cognição social. Revista Psicologia e Saber Social. 3(2), 191-206. 2014.

PÉREZ, Susana Graciela. Altas habilidades / Superdotação: mais vale prevenir. Pediatria Moderna. Jan 14 V 50 N 1, 40-48. 2013 Disponível em: . Acesso em: 30 de Setembro de 2015.

PIÑERO Ruiz Eugenia. Características e las relaciones familiares y escolares y roles en la dinámica bullying en estudiantes de educación secundaria obligatoria. Tese (Doutorado em Psicologia). 2010. Universidad de Murcia. España.

PRIBERAM. (2008). Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Disponível em: . Acesso em: 30 de Setembro de 2015.

PRINCETON. (2011). Wordnetweb. Disponível em: . Acesso em: 30 de Setembro de 2015.

SEVILLA, Carmen María Sevilla Romero. El Perfil del alumno agresor en la escuela. (2006). VI Congreso Internacional Virtual en Educación. Universidad de Murcia. Fevereiro 2006. Disponível em: . Acesso em: 30 de setembro de 2015.

VARELA, Torres Jorge, et al. Violencia escolar (bullying): ¿Qué es y cómo intervenir? Centro de Estudios Evolutivos e Intervención en el Niño (CEEIN). 2009. Facultad de Psicología-Universidad del Desarrollo. Disponível em: . Acesso em: 30 de setembro de 2015.

VIRGOLIM, Angela Mágda Rodrigues. (2003). A criança superdotada e a questão da diferença: um olhar sobre suas necessidades emocionais, sociais e cognitivas. Disponível em: . Acesso em: 30 de setembro de 2015.

VIRGOLIM, Angela Mágda Rodrigues. Altas Habilidades/Superdotação: encorajando potenciais. Ministério de Educação MEC Secretaria de Educação Especial SEESP. Brasilia, Brasil. 2007.

VISCARDI, Nilia. Enfrentando la Violencia en las escuelas: Un informe de Uruguay. 2003. Disponível em: . Acesso em: 30 de setembro de 2015.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2015.v8i2.175

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.