INTERDEPENDÊNCIA DE TAREFAS E SAÚDE ORGANIZACIONAL: o caso de uma concessionária de motos em Aracati-CE

Juliana Pereira da Costa, Daironne Kadídio Martins Holanda Rosário

Resumo


As equipes de trabalho constituem-se como unidades de desempenho cada vez mais utilizadas no cenário organizacional. Por esse motivo, nas últimas décadas tem-se observado um significante desenvolvimento do interesse na exploração das principais características do seu funcionamento. Nesse sentido, esse artigo objetivou identificar a existência ou não de correlação entre a interdependência de tarefas e a saúde organizacional em uma concessionária de motos situada na cidade de Aracati-CE. Para isso, utilizou-se metodologia exploratória e descritiva, adotou-se o Coeficiente de Correlação de Pearson e utilizou-se a Escala de Interdependência de tarefas (ETI) e a Escala de Percepção de Saúde Organizacional (EPSO). Constatou-se correlação fraca e negativa entre a interdependência de tarefas e a saúde organizacional, o que sugere que à medida que a interdependência de tarefas aumenta, a saúde organizacional tende a diminuir e vice-versa. Outras investigações dessas variáveis mostram-se interessantes com o intuito de avaliar este modelo em outros contextos. Sugere-se ainda a replicação com uma amostra maior, que permita a extrapolação dos resultados para além dos limites da organização pesquisada.


Palavras-chave


Equipes de trabalho. Saúde organizacional. Comportamento organizacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ARGYRIS, C. Integrating the individual and the organization. New York: Wiley, 1964.

BENNIS, W. G. Changing organizations: essays on the development and evolution of human organization. New York: McGraw-Hill, 1966.

DANCEY, Christine & REIDY, Jhon. Estatística sem Matemática para Psicologia: Usando SPSS para Windows. Porto Alegre, Artmed, 2006.

FIGUEIREDO FILHO, D. B.; SILVA JÚNIOR, J. A. Desvendando os mistérios do coeficiente de correlação de Pearson (r). Revista Política Hoje, v. 18, n. 1, 2009.

GEORGOPOULOS, B.; TANNENBAUM, A.S. A study of organizational effectiveness. American Sociological Review, Washington, v. 22, p. 534-540, Oct. 1957.

GUZZO, R; SHEA, G. Group performance and intergroup relations in organizations. In: DUNNETE, M.; HOUGS, L. Handbook of Industrial and Organizational Psychology. Palo Alto: Consulting Psychologists, 1992. p. 269-313.

JAFFE, D. T. The healthy company: research paradigms for personal and organizational health. In: SAUTER, S. L. MURPHY, L. R. Organizational risk factors for job stress. Washington: American Psychological Association, 1995. P.13-39.

SIQUEIRA, Mirlene Maria Matias; TAMAYO, Álvaro [et al.]. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SPECTOR, Paul E; tradução Cristina Yamagami. Psicologia nas organizações- 4. ed. São Paulo: Saraiva , 2012.

VERGARA, Sylvia Constant, Projetos e relatório de pesquisa em administração- 5. ed. São Paulo : Atlas, 2004;

ZANELLI, José Carlos; BORGES- ANDRADE, Jairo Eduardo; BASTOS, Antonio Virgílio Bittencourt. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil- 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

WAGNER, John A. HOLLENBECK, John R. Comportamento Organizacional: criando vantagem competitiva. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2009.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2015.v8i2.162

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.