GESTÃO DE EXPATRIADOS NO BRASIL: a percepção de expatriados japoneses à luz da Teoria do Ajustamento Cultural

Fabiano Alves dos Reis

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de analisar as práticas dos departamentos de recursos humanos na gestão internacional de recursos humanos, utilizando como referência a teoria do ajustamento cultural. A referida teoria defende que o ajustamento cultural de determinado empregado à cultura do país para o qual ele foi expatriado é fundamental para o sucesso de sua designação. Neste estudo, foi realizada pesquisa qualitativa com entrevistas a cinco empregados japoneses de uma empresa japonesa que atua no ramo de óleo e gás no estado do Rio de Janeiro, a fim de conhecer suas percepções sobre o processo de expatriação. Além de entrevistas com os funcionários, lançou-se mão de levantamento bibliográfico sobre gestão de expatriados no Brasil e sobre a teoria de ajustamento cultural. Com base na análise dos dados coletados, verificou-se que o ajustamento cultural não deve ser o único fenômeno a ser levado em consideração pela gestão internacional de recursos humanos das empresas no processo de administração de uma designação internacional.


Palavras-chave


Recursos Humanos; Teoria do Ajustamento Cultural; Gestão Internacional de Recursos Humanos; Gestão de Expatriados; Designação Internacional; Cultura Japonesa

Texto completo:

PDF

Referências


ADISSE, Mirian S. A Importância dos RHIs em um Brasil de ambientes multiculturais. In: SEBBEN, Andréa. Expatriados.com, um novo desafio para os RHs interculturais. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2009.

AGUZZOLI, R.L., ANTUNES, E.D., LENGLER, J.F.B.. Gestão de Pessoas: como Multinacionais Brasileiras Gerenciam seus Trabalhadores no Exterior. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Rio de Janeiro, v. 31, 2007.

AYCAN, Z.. Expatriate adjustment as a multifaceted phenomenon: Individual and organizational level predictors. International Journal of Human Resource Management, v.8, n. 4, 1997

BLACK, J. S.;MENDEHALL, M. E.; ODDOU, G.R. Toward a Comprehensive Model of International Adjustment: An Integration of Multiple Theoretical Perspectives. Academy of Management Review, v. 16, n. 2, 1991.

BLACK, J. Stewart; GREGERSEN, Hal. The right way to manage expats. Harvard Business Review. Cambridge, v. 77, n. 2, pp. 52-62, 1999.

BRANDÃO, J. Processo de Expatriação na Gestão Internacional de Recursos Humanos (GIRH): Fatores que influenciam a perfomance dos expatriados. 2012. Dissertação (Mestrado em Economia) Faculdade de Economia, Faculdade do Porto, Porto.

BROOKFIELD. Global Relocation Trends, 2013.

EY. Your talent in motion, 2013.

FRANKE, J.; NICHOLSON, N. Who shall we send? Cultural and other influences on the rating of selections criteria for expatriate assignments. International Journal of Cross Cultural Management. Londres: Sage Publications, v.2, n.1, pp. 21-36, 2002.

FREITAS, Maria. Expatriação de executivos. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 5, n. 4, pp. 48-52, 2006.

GLOBAL LINE. Mobility Brasil, 2012.

HARRIS, Michael. Handbook of Research in International Human Resource Management. New York: Lawrence Erlbaum Associates, 2007.

HOMEM, Ivana; TOLFO, Suzana. Gestão Internacional de Recursos Humanos: o processo de expatriação em uma empresa multinacional brasileira. 3º Colóquio do IFBAE, Minas Gerais, 2005.

HSBC. Expat Explorer Survey. 2013

KRAIMER, Maria; SHAFFER, Margaret; BOLINO, Mark. The influence of expatriate and repatriate experiences on career advancement and repatriate retention. Human Resource Management, v. 48, n. 1, Iowa, 2009.

KUBO, Edson. Ajustamento intercultural de executivos japoneses expatriados no Brasil. 2011. Tese (Doutorado em Administração) – Escola de Administração, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

LIEVENS, Filip. Research on Selection in an International Context: Current Status and Future Directions. In: HARRIS, Michael. Handbook of Research in International Human Resource Management. New York: Lawrence Erlbaum Associates, 2007.

MAGNUS, Jessica; VISWESVARAN, Chockalingam. Expatriate Management: A Review and Directions for Research in Expatriate Selection, Training, and Repatriation. In: HARRIS, Michael. Handbook of Research in International Human Resource Management. New York: Lawrence Erlbaum Associates, 2007.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Boletim anual de exploração e produção de petróleo e gás natural – 2013. Disponível em http://www.mme.gov.br/spg/menu/publicacoes.html. Acessado em 06/09/2014.

MINISTÉRIO DE TRABALHO E EMPREGO. Resumo Geral – Relação das autorizações de trabalhos concedidas pela CGIg. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/trab_estrang/estatisticas.htm. Acessado em 06/09/2014.

LIMA, Mariana; BRAGA, Beatriz. Práticas de recursos humanos do processo de repatriação de executivos brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 6, Curitiba, 2010. Disponível em: Acesso em 06 set. 2014.

SCHULER, R. The internationalization of human resource management. Journal of International Management, v. 6, n. 3 pp. 239-260, 2000.

TAKEUCHI, Riki et al. An integrative view of international Experience. Academy of Management Journal, New York, v. 48, n. 1, pp. 85-100, 2005.

ZEIRA, Y; BANAI, M. Selection of expatriate managers in MNCs: The host-environment point of view. International Studies of Managementet and Organization, v. 15, 1985.

VERGARA, S.C. Projeto e Relatório de Pesquisa em Administração. 5ª Ed. São Paulo: Atlas, 2004.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2015.v8i1.142

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.